fbpx

Valor Bruto da Produção Agropecuária deve chegar a R$ 848,6 bilhões

Valor Bruto da Produção Agropecuária deve chegar a R$ 848,6 bilhões
Valor Bruto da Produção Agropecuária deve chegar a R$ 848,6 bilhões

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) deve atingir R$ 848,6 bilhões, segundo o Ministério da Agricultura. O resultado é 13,1% maior em relação ao do ano passado. Do total, R$ 572,27 bilhões referem-se às lavouras, incremento de 16,9% ante 2019.

O restante, R$ 276,32 bilhões, vem da pecuária, avanço de 6,1% na mesma base de comparação. As primeiras estimativas do Ministério da Agricultura para o VBP de 2021 sinalizam R$ 949,22 bilhões, 11,9% acima da projeção para este ano.

“Há boas perspectivas para soja, cuja previsão do VBP é de R$ 300 bilhões, contra R$ 223,2 bilhões neste ano. Também espera-se resultados melhores para arroz e carnes”, diz, em nota, o coordenador-geral de Avaliação de Política e Informação da Secretaria de Política Agrícola do ministério, José Garcia Gasques.

Em relação a 2020, a soja deve registrar o maior VBP entre todos os produtos analisados, com R$ 223,2 bilhões, ou 26,3% do valor total do ano.

Na pecuária, o segmento bovino deve alcançar VBP de R$ 121,25 bilhões; a avicultura, R$ 73,92 bilhões; setor leiteiro, R$ 40,44 bilhões; suinocultura, R$ 24,95 bilhões; e produção de ovos, R$ 15,76 bilhões. Segundo o ministério, nos dois segmentos, a maior parte dos itens avaliados apresentou aumento de preços, como o cacau (9,5%), café arábica (14,2%), feijão (17,2%), milho (17,6%), soja (26,4%), trigo (21,0%), maçã (20,6%), carne bovina (17,7%), carne suína (12,8%), ovos (8,3%) e arroz (22,3%).

Esses produtos também foram os que tiveram o melhor desempenho (maior VBP), em virtude dos preços praticados no ano e dos volumes produzidos. Alguns registraram recorde de faturamento, como milho, soja, carne bovina e carne suína.

“O comportamento dessas atividades resultou em valor expressivo para o VBP neste ano”, disse Gasques. Um grupo reduzido apresentou desempenho baixo: banana, batata-inglesa, tomate, uva e carne de frango. A pasta reportou que dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam estoques reduzidos de vários alimentos, um indicativo de que as vendas internas e externas estão aquecidas.

Quanto ao VBP regional, os Estados com maiores valores foram Mato Grosso (com 18,4% do total), Paraná (12,9%), São Paulo (12%), Minas Gerais (10,7%) e Rio Grande do Sul (8,1%). O VBP é calculado com base no volume produzido na safra agrícola e na atividade pecuária, assim como nos preços recebidos pelos produtores nas principais praças do País. A projeção atual tomou por base dados de outubro.

Fonte: Portal DBO