Uso do glifosato é seguro, garantem especialistas

veneno agricultura giro rural 768x432 - Uso do glifosato é seguro, garantem especialistas

O uso do glifosato é tema de discussão em diversos setores e para muitos aparece como vilão, mas seu uso é totalmente seguro, segundo garantiram alguns especialistas na audiência pública da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, na Câmara dos Deputados. A reavaliação toxicológica do glifosato pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) foi um dos assuntos discutidos na audiência pública.

Os deputados federais Darcísio Perondi (MDB-RS) e José Mário Schreiner (DEM-GO) participaram do debate e defenderam que o uso do herbicida é necessário para controlar pragas e doenças que afetam as lavouras do Brasil.

“O Glifosato foi reconfirmado por três agências internacionais que fiscalizam a utilização do produto. A Anvisa também fez dois estudos favoráveis, um em parceria com a Fiocruz, que era contra, e outro com uma universidade”, disse o deputado Perondi, acrescentando que os dois órgãos confirmaram que o glifosato não faz nenhum mal à saúde e é positivo do ponto de vista econômico.  De acordo com ele, se não existissem pesticidas, a humanidade certamente passaria fome.

O deputado Schreiner disse o glifosato alia eficácia e segurança de saúde, qualidades comprovadas em outros países. “É um produto que está no mercado há mais de 40 anos e diversos órgãos reguladores do mundo inteiro, que avaliam o risco dos produtos usados na agricultura, afirmam que é seguro”, disse ele, salientando que obviamente se deve primar por cuidar da saúde humana, questão ambiental, e pela eficiência agronômica. “O glifosato passou por todos estes testes”, disse o deputado goiano.

O especialista da Força Tarefa de Reavaliação do Glifosato, Flávio Zambrone, médico toxicologista, garantiu que todas as tentativas de proibição do uso do glifosato no Brasil não têm nenhum fundamento. “O produto não tem efeitos carcinogênicos ou qualquer outro efeito que contrarie nossa legislação que impeça o seu uso”, disse o especialista que também participou da audiência pública na Câmara dos Deputados.

Adicionar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *