Santa Catarina busca alternativas para reduzir dependência de milho e investe em cereais de inverno

trigo plantação seca 768x432 - Santa Catarina busca alternativas para reduzir dependência de milho e investe em cereais de inverno

Um dos maiores estados produtores de milho, Santa Catarina quer ser menos dependente do cereal e busca alternativas como o trigo, a aveia, a cevada e o centeio.

De acordo com informações da Secretaria de Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, esses cereais de inverno deverão ser incluídos na alimentação de suínos, aves e bovinos de leite em Santa Catarina.

Em nota, a secretaria informou que o Estado importa cerca de 4 milhões de toneladas de milho por ano para garantir o abastecimento das granjas de suínos, aves e as criações de vacas leiteiras.

O secretário de Agricultura catarinense, Ricardo de Gouvêa, acredita que a produção de outros cereais representa um passo importante porque garante a competitividade do agronegócio de Santa Catarina no longo prazo.

Segundo ele, além dos benefícios já conhecidos, os produtores rurais conseguirão uma renda extra, porque poderão aproveitar as lavouras também no período de inverno.

Cereais de inverno apresentam vários benefícios

A cevada é um dos exemplos dos benefícios na escolha dos cereais de inverno como alternativa. Quando o cereal não apresentar o padrão para produção de malte, poderá ser utilizado para compor a ração.

A mesma coisa acontece com o trigo, que tem a possibilidade de ser usado tanto para a panificação quanto para alimentação animal. O secretário catarinense disse que Santa Catarina conta com terras que não são aproveitadas no inverno e os produtores querem buscar uma alternativa de renda.

O secretário afirmou que para fazer a estratégia virar realidade, está sendo feito um trabalho com vários elos da cadeia produtiva, como representantes de vários setores com o objetivo de analisar o cultivo dos cereais de inverno e a conversão alimentar.

Ele disse ainda que existe um entendimento das agroindústrias e das cooperativas de que esse é um plano viável para o Estado.