Produção de milho, soja, arroz e algodão deve crescer 3,6% até 2020, aponta Conab

algodao milho arroz soja 768x432 - Produção de milho, soja, arroz e algodão deve crescer 3,6% até 2020, aponta Conab

Até o ano de 2020 o Brasil deverá registrar um crescimento de 3,6% na produção de milho, soja, algodão e arroz, considerados os quatro principais produtos cultivados no País.

O possível crescimento foi constatado através do estudo Perspectivas para a Agropecuária, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado na última terça-feira (20) durante o Seminário Conjuntura da Economia Agrícola, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Em relação ao milho, dependendo da safra dos Estados Unidos, que foi afetada pelo clima, o Brasil, de acordo com a Conab, deverá ter um aumento de 1 milhão de hectares do cereal, chegando a18,3 milhões de hectares. A produção prevista para 2020 é de 99,2 milhões de toneladas.

No caso da soja, a área terá um incremento de 1,7% até o ano que vem. A produtividade deve registrar um crescimento de 140kg/ha, levando a produção a avançar 7 milhões de toneladas, segundo informou o estudo.

Estimativa é de estoque final de 2,8 milhões de toneladas

Em relação ao quadro de oferta e demanda da safra 2019/20, a estimativa é de um estoque final de 2,8 milhões de toneladas, refletindo no consumo de 48 milhões e exportação de 72 milhões de toneladas.

Para o arroz a expectativa é uma redução de área de 19 mil hectares. Segundo a Conab, a produtividade cresce por causa da migração para áreas irrigadas e a implementação de mais tecnologias. A expectativa é de que a produção possa chegar a 10,7 milhões de toneladas.

Já o algodão sofrerá uma redução de 6% de área e quase 7% na produção em função do aumento dos estoques aliado à redução dos preços internacionais.

A Conab prevê que a safra atinja de 2,5 milhões de toneladas dentro de uma área plantada de 1,5 milhão de hectares.

No resumo final, a Conab avalia o crescimento da produtividade em torno de 140kg/ha. Isso poderá resultar em um avanço de 7 milhões de toneladas na produção total.