Para controlar consumo, Alemanha anuncia intenção de taxar carne

gado alemanha giro rural 768x432 - Para controlar consumo, Alemanha anuncia intenção de taxar carne

A Alemanha está disposta a controlar o consumo de carne para a redução de riscos relacionados às mudanças climáticas, além do aumento do bem estar animal.

Segundo o jornal britâncio The Independent, o país quer taxar o consumo de carne. Um dos defensores da ideia, o Partido Social Democrata Alemão quer a aprovação de uma tarifa de até 19%.

O jornal divulgou ainda que o porta-voz para a Agricultura do partido Democrata Cristão, o mesmo da primeira-ministra Angela Merkel, Albert Stegemann, está disposto a discutir a proposta defendida pela Associação Alemã para o Bem Estar Animal. Para ele, a ideia é construtiva.

“Esse recurso adicional poderia ser usado como um prêmio por bem estar animal para suportar criadores de gado na Alemanha durante a reestruturação animal”, comentou Stegemann.

A proposta resultou em protestos por parte dos produtores rurais alemães. O secretário geral da Associação dos Fazendeiros Alemães também se disse contra a taxa da carne. Além disso, várias lideranças políticas do Partido da Esquerda e o Partido Alternativa para a Alemanha também se mostraram contrários.

O meio de comunicação britânico estacou um trabalho de pesquisadores da Universidade de Oxford, informando que deverá ocorrer 2,4 milhões de mortes associadas ao consumo de carne vermelha processada em todo o planeta. O gasto com saúde aliado a essa situação é estimado em US$ 285 bilhões.

Segundo o The Independent, nos países desenvolvidos, o consumo de carne processada é o dobro da média mundial. Além disso, os atuais níveis de procura pela carne vermelha são insustentáveis sob a perspectiva ambiental.

O jornal informou ainda que especialistas acreditam que preços mais caros podem inibir o consumidor, obrigando-o a mudar para o consumo de alimentos mais saudáveis.

O tema gera discussões em vários setores que atuam direta ou indiretamente na pecuária. Além da Alemanha, outros países também poderão acampar a ideia.