fbpx

Exportações de carne suína em crescimento contínuo. Mais de 13,4%, segundo a ABPA

suinocultura giro rural 768x432 - Exportações de carne suína em crescimento contínuo. Mais de 13,4%, segundo a ABPA

O ritmo positivo nas exportações de carne suína se mantém em 2019. Neste cenário estão sendo considerados todos os produtos, entre eles in natura e processados.

De acordo com dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), foram embarcadas 466,1 mil toneladas entre janeiro e agosto deste ano, o que representa 13,4% acima do exportado no mesmo período de 2018, com 410,8 mil toneladas.

O saldo cambial registrado no período, que somou US$ 956,3 milhões, foi 19,9% maior que os US$ 797,5 milhões alcançados nos oito primeiros meses do ano passado. 

No mês de agosto foram embarcadas 51,6 mil toneladas convertendo-se em uma receita de US$ 108,5 milhões.

Segundo o diretor-executivo da ABPA, Ricardo Santin, o movimento de desaceleração nas exportações de carne suína registrado neste período tem motivações iguais aos embarques de produtos avícolas.

Ele explica que, em relação aos suínos, a problema envolve exclusivamente a China, mas a mudança do quadro já deverá ser sentida já no mês que vem.

Exportação de frango cresce mais de 2%

O ritmo positivo também foi mantido nas exportações de carne de frango, segundo apontou outro levantamento da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

De janeiro até agosto, o Brasil exportou 2,758 mil toneladas, o que significa um volume 2,3% superior ao registrado no mesmo período de 2018, quando o País embarcou 2,696 mil toneladas.

Em termos de receita, o desempenho tem uma expressão maior. Um saldo de US$ 4,625 bilhões, número 7,4% acima dos US$ 4,3 bilhões conseguidos nos oito primeiros meses do ano passado.

Se considerar somente o mês de agosto, foi registrada uma retração de 17,9% nas vendas, com 325,4 mil toneladas embarcadas no referido mês deste ano, contra 396,4 mil toneladas registradas no mesmo mês no ano passado.

Em relação às receitas, a retração é de 12,5%, somando US$ 552,9 milhões em 2019, contra US$ 631,5 milhões em agosto de 2018.