fbpx

Como o uso da pastagem de inverno pode aumentar a produção de leite?

Como o uso da pastagem de inverno pode aumentar a produção de leite?
Como o uso da pastagem de inverno pode aumentar a produção de leite?

Pastagem de inverno: No Brasil, temos uma grande diversidade de condições ambientais, o que torna irregular a distribuição da produção de forragens ao longo do ano. Assim, ajustar a produção de forragens às necessidades do gado de leite é um desafio. A produção de pastagens é alta na época das chuvas e baixa na seca ou estiagens prolongadas. Essa queda de produtividade é o que chamamos de estacionalidade da produção. Por isso, é importante fazer um planejamento alimentar anual para o manejo de pastagens, alinhado às metas produtivas, adotando-se pastagens de inverno, de verão e suplementação volumosa.

O manejo de pastagens é uma combinação de técnicas capazes de equilibrar dois fatores conflitantes de produção, são eles:

  • A exigência nutricional do animal sob pastejo;
  • Exigência fisiológica da planta forrageira, para alcançar e manter elevada produtividade.

Estes dois fatores são essenciais para que sejam atingidos resultados satisfatórios na produção de leite.

A produtividade de vacas leiteiras que tem como principal recurso alimentar às pastagens é proporcional ao consumo de nutrientes digestíveis. Este consumo é impactado principalmente pela disponibilidade de forragem de qualidade, pelos teores de proteína bruta (PB) e de frações fibrosas (FDN e FDA).

 

Você sabia que na estação de “seca”, outono-inverno, as baixas temperaturas e poucas chuvas, limitam a produção das forrageiras?

 A estacionalidade da produção é considerada como um período sazonal crítico, já que as pastagens costumam ficar escassas e de baixa qualidade. Isso compromete a oferta de forragem e consequentemente, a produção de leite. Por essa razão, é comum que haja até um decréscimo no volume de leite produzido, por vaca. Surge assim, a necessidade de se buscar estratégias que possibilitem o aumento da produção de forragem disponível para os animais no inverno.

 O uso de pastagem de inverno se apresenta como uma alternativa tecnológica capaz de otimizar a produção forrageira no período hibernal. Se comparadas às forragens convencionais, tem o impacto da estacionalidade reduzido, produzem bem sob as condições ambientais dessa época do ano, demandam menor suplementação volumosa, e consequentemente, apresentam uma resposta produtiva maior.  Pode ser utilizada em consórcio com as espécies de verão, sob a técnica de sobressemeadura.

Para elevar os níveis de produção de leite nesse período menos produtivo das pastagens, deve-se garantir uma oferta adequada ao número de animais, que considere a quantidade e qualidade da forragem.

A Sobressemeadura

A técnica de sobressemeadura consiste no estabelecimento simultâneo de uma cultura anual em uma área já ocupada por outra cultura perene, aproveitando o período do inverno em que ela está dormente ou pouco produtiva. Pode ser realizada em áreas cultivadas com qualquer pastagem de verão, o pasto deve ser rebaixado nos dois momentos de transição (estabelecimento das pastagens de inverno e retorno das pastagens de verão), para minimizar a competição.

É uma prática já bastante utilizada nas regiões Sul, Sudeste, e parte da região Centro-Oeste do país. Já nas regiões Norte, Nordeste e no norte da região Centro-Oeste, a principal limitação é pela falta de chuvas, então, se irrigadas, as gramíneas tropicais tendem a produzir bem. No momento da escolha de espécies, é importante buscar aquelas mais adaptadas a região, com menor exigência hídrica, por exemplo.

 

Espécies de pastagem de inverno mais cultivadas no Brasil:

  • Gramíneas anuais aveia preta (Avena strigosa)
  • Aveia branca (Avena sativa)
  • Azevém (Lolium multiflorum).

Estas pastagens podem ser utilizadas em monocultura, sobressemeados com a cultura perene já existente, ou em consórcio. O cultivo em consorciação tem por objetivo prolongar o período de pastejo no inverno, associando os picos de produção de matéria seca das duas espécies e aumentando a produtividade animal nessa época do ano (MARCHESAN et al., 2015).

O azevém é uma gramínea anual de alta produção e qualidade de forragem, adaptada aos solos de várzea, tem boa resistência ao pastoreio, suporta altas lotações, possui baixo custo de sementes, se estabelece rapidamente, tem tolerância ao frio e a doenças, além de auxiliar no controle de plantas daninhas (RIBEIRO FILHO et al., 2015).

A aveia é considerada rústica, tolerante à seca e com elevada produção de matéria seca, mesmo em solos menos férteis. Tais espécies se fortaleceram como pastagem de inverno pela grande flexibilidade de uso.

Permitem pastejo direto contínuo ou rotativo, armazenamento como feno ou silagem, e se usadas como cobertura morta ou cultura em rotação beneficiam grandemente as culturas consecutivas.

Segundo a literatura, vacas leiteiras pastejando aveia e azevém sobreplantados, sem suplementação, manejadas com alta oferta de forragem permitindo elevado consumo individual de matéria seca, tem produção de leite superior a 20 kg/dia. Para cada kg de matéria seca de forragem oferecida a mais, a produção de leite aumenta 0,2 kg/vaca.dia. O aumento na produção é de 0,8 kg de leite por kg de matéria orgânica digestível ingerida.  (RIBEIRO FILHO et al, 2009).

Melhores resultados são observados em áreas cultivadas com Cynodons e Panicums, por serem exigentes em fertilidade e manejo adequado, assim como as espécies de inverno.

Outras espécies menos utilizadas no Brasil:

  • Centeio,
  • Triticale,
  • Cornichão,
  • Trevo branco.

Estas espécies são mais utilizadas na região Sul do país, onde as temperaturas são muito baixas. A escolha da espécie deve ser de acordo com as características da região: clima, solo, temperatura, umidade, radiação solar, entre outros.

 

Cuidados essenciais:

 Alguns cuidados são essenciais para que se obtenha o resultado esperado, são eles:

  • A escolha cuidadosa do cultivar que será utilizado, adaptado à região;
  • O uso de sementes certificadas de boa qualidade;
  • A adequação da fertilidade do solo de acordo com a exigência do cultivar;
  • A semeadura na época correta, quantidade e profundidade de sementes adequadas;
  • Redução e controle da competição com a cultura existente;
  • Manejo minucioso da espécie escolhida e dimensionamento adequado do regime de irrigação.

Com o uso de pastagem de inverno, tem-se o aumento da matéria seca disponível nesta estação, melhor qualidade nutricional da dieta das vacas em lactação, consequentemente, o aumento na produção de leite por animal. Temos ainda um melhor controle de plantas invasoras e redução do uso de concentrados e volumosos armazenados.

Fonte: PRODAP

Adicionar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *