Governo promete agilizar aprovação de produtos veterinários para a pecuária de corte

medicamentos giro rural 768x432 - Governo promete agilizar aprovação de produtos veterinários para a pecuária de corte

O governo divulgou na semana passada por intermédio da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que pretende acelerar o mais rápido possível a aprovação de produtos veterinários para a pecuária de corte.

De acordo com o Governo Federal, um produto de uso veterinário é toda substância química ou biológica utilizada para prevenir, diagnosticar, curar ou tratar doenças, incluindo medicamentos, vacinas, aditivos, suplementos promotores de crescimento e vários outros produtos com objetivo de garantir a saúde e qualidade do animal.

Alguns pecuaristas afirmam que a aprovação de produtos veterinários genéricos representa uma solução quando se trata de reduzir custos com o tratamento e a manutenção da saúde dos animais. Segundo eles, a medida poderá gerar uma redução de custos para os produtores.

Hoje em dia, para tratar e realizar a manutenção da saúde do rebanho, o pecuarista se depara com um custo muito alto, que é um fator negativo, porque na hora do abate e da venda será preciso incluir tudo no preço, o que eleva o valor da carne para o consumidor final.

Se o governo seguir adiante com a aprovação destes produtos, os pecuaristas poderão ter uma redução de preços bem significativa para realizar o tratamento veterinário dos animais, o que poderá diminuir os custos para o consumidor final.

Segundo a ministra Tereza Cristina, a ideia é agilizar a liberação de produtos genéricos de fórmulas que já estão sendo vendidos no mercado. “É necessário e urgente que se faça. A pecuária poderá ser beneficiada tendo uma diminuição de custos, que é o que está tendo na agricultura”, disse a ministra.

De acordo com ela, é a mesma coisa que um remédio genérico para pessoas, plantas e vegetais. A ministra destacou que é preciso tratar com a mesma segurança que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) trata também os produtos humanos.

“São um outro gargalo que nós temos: os produtos veterinários. Nós temos uma fila enorme que precisa caminhar, para entrarem novos produtos, mais modernos”, disse ela, frisando que o segmento está na batalha no Ministério da Agricultura para fazer a mesma coisa que foi feita algum tempo atrás com os defensivos da área vegetal.