CPQD desenvolve projeto de Inteligência Artificial no agronegócio

cropped tecnology agronegocio 768x432 - CPQD desenvolve projeto de Inteligência Artificial no agronegócio

Está comprovado que a Inteligência Artificial (IA) pode ajudar o agronegócio e vários projetos são desenvolvidos no segmento, mas uma em especial chamou a atenção nos últimos dias.

Trata-se de um projeto conduzido pelo CPQD em parceria com a RNP – Rede Nacional de Ensino e Pesquisa, com o apoio de recursos dos Programas e Projetos de Interesse Nacional (PPIs) nas Áreas de Tecnologias da Informação e Comunicação, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

O projeto consiste em uma plataforma de código aberto que tem como objetivo disponibilizar recursos para criar aplicações de Inteligência Artificial (IA) para o agronegócio.

O setor é um dos mais importantes na economia brasileira e pode registrar ganhos significativos em produtividade e eficiência com o uso da tecnologia desenvolvida pelo CPQD.

De acordo com o gerente de Desenvolvimento de Negócios em Agronegócio Inteligente do CPQD, Fabrício Lira Figueiredo, dispor de uma plataforma aberta de IA, que traga ao desenvolvedor recursos padronizados, de forma rápida, integrada e segura, é muito importante, porque estimula o ambiente de inovação no campo.

Segundo ele, a ideia é fornecer, através da plataforma, elementos básicos que facilitem o desenvolvimento de aplicações específicas de IA para o agronegócio por startups e outras empresas que trabalham no setor. Ele disse que isso proporcionará robustez e estabilidade para operação em larga escala.

O projeto iniciado em agosto de 2018 e que tem previsão de duração para três anos, foi dividido em três áreas de atuação. Uma das áreas tem como foco o desenvolvimento de aplicações de aprendizado e análise preditiva.

Nessa área, o foco é o monitoramento, otimização e controle de produção e da qualidade. Já uma outra está focada no desenvolvimento de aplicações de visão computacional (com imagens e vídeos) voltadas à identificação de padrões, além de muitas outras possibilidades.

A terceira e última área tem como objetivo desenvolver aplicações de sistemas de diálogo (assistente virtual) para auxiliar o agronegócio.